Formação do Preço do Milho

O milho é nativo da América Central, e devido suas características serve como fonte de alimento para humanos e animais, além de ser um ingrediente fundamental na produção de combustível. Foi domesticado em torno de 10.000 anos atrás onde agora é o Sul do México, contudo só vou levado para a Europa por volta de 1500 no retorno de Cristóvão Colombo de Cuba.  Diversas indústrias utilizam milho para produzir seus produtos, o que fez sua produção exceder a rizicultura (arroz) e triticultura (trigo). Quer saber mais sobre o mercado e preço do milho? Clica aqui!

  


É a segunda cultura mais importante na agricultura brasileira atualmente, atrás da soja e é comercializado somente em grãos (in natura), ao contrário da soja que possui commodities processadas. 


Representa em torno de 30 a 40% de toda produção de grãos no país e é a cultura de cereal mais produzida no mundo. O milho pertence a famílias das gramíneas (Poaceae). Geralmente é realizado em rotação com a soja, cultivado como safra ou safrinha (segunda safra). 


Os maiores produtores são os EUA, China, Brasil e Índia. Os principais usos são para a alimentação animal, etanol, xarope e amido.


O preço do milho é altamente correlacionado com o preço de outros produtos agrícolas, sendo influenciado por fatores econômicos específicos como: mercado do etanol, preço do óleo, demanda chinesa, preço do dólar e clima.


Em relação à comercialização como commodity, o Brasil é um dos principais produtores (players) no mercado de exportação.


Commodities são produtos com padrão de produção e comercialização internacional, garantindo segurança na hora de compra ou venda do produto internacionalmente e fazendo com que o preço seja estabelecido de fora para dentro, ou seja, o mercado de exportação influencia a formação de preço no mercado interno brasileiro.


A paridade de exportação possibilita a obtenção do preço médio para a venda, caso o objetivo seja venda para o mercado externo. Fatores que influenciam a paridade de exportação brasileiras são a cotação do milho na Bolsa de Chicago (CBOT), prêmio de exportação, despesas portuárias, frete, câmbio, impostos e outras taxas e comissões.


Cálculo da paridade de exportação:



  • Cotação em Chicago para o mês desejado. Para vendas à vista, pega-se sempre o primeiro mês cotado. Valores estão em centavos de dólar por bushel (27,215 kg).

  • Prêmio para o mês desejado. No mercado específico para o prêmio, chamado de FOB de exportação. Cotações estão em US$ cents.

  • Os dois valores são somados e convertidos em US$/tonelada (multiplique pelo fator ,367437). O resultado é a receita bruta.

  • Para descobrir o valor do produto em R$/t, multiplica-se esse valor obtido na conversão, pela taxa cambial do dia.

  • Resultando na receita bruta em R$/t.

  • Levanta-se as despesas para a logística até o navio do comprador (FOB).

  • O total das despesas subtrai-se o total da receita bruta, resultando na receita líquida.

  • A paridade em R$/60 kg, obtém-se multiplicando a receita líquida por 0,06.


Mercado Mundial


As principais variáveis são a produção, importação, exportação e calendário agrícola mundial. Caso haja uma produção maior que a demanda, o excesso do produto é estocado para o final da safra atual, consequentemente haverá mais produto no início da próxima safra.


Países importadores também tendem a ser grande produtores, o mesmo vale para países exportadores. Isso forma o mercado do milho, variando o balanço (share) de quem mais compra ou vende (oferta e demanda) conforme a cadeia produtiva, geopolítica e clima dos países.


Mercado Nacional


O mercado nacional é voltado principalmente para a exportação, destinado a produção de rações para animais. Entraves logísticos impedem a competitividade com outros players do mercado, como a reforma de estradas e utilização de transporte ferroviário e hidroviário.


A indústria de etanol também consome grande parte do milho, junto com a indústria nacional de ração animal.


Tipos de Mercado


O milho possui o mesmos mecanismos de comercialização que a soja. Commodities são insensíveis a variações qualitativas (por possuírem sistema de produção padronizado), e por isso são comercializados em mercado spot ou de futuros, já produtos que são sensíveis a variações são comercializados por contratos de fornecimento de médio e longo prazo.


As negociações ocorrem em mercado físico (spot, cash ou à vista), a termo, mercado futuro e mercado de opções, são operações praticadas mundialmente e no mercado interno.



  • Mercado Físico: basicamente troca de produto físico por dinheiro, uma troca imediata, onde entrega do produto e pagamento são no mesmo instante.

  • Mercado a Termo: difere do físico pois as transações ocorrem em dois ou mais momentos. As partes acordam especifidades (mercadoria, entrega, local, transporte, pagamento, etc.) da transação que ocorrerá futuramente.

  • Mercado Futuro: contratos padronizados e negociados em bolsas, sem inclusão de cláusulas de compradores e vendedores. Especificam apenas entregar, lugar, lote, mercadoria. Somente para commodities com contratos padronizados e registrados nas bolsas.

  • Mercado de Opções: garante o direito de compra ou venda de algum ativo (ex: mil toneladas de milho ou um contrato futuro). Nas principais bolsas, os direitos são de compra ou venda de contratos futuros. As opções são de compra (Call) e venda (Put). Esses direitos fornecem segurança contra risco de queda de preço do produto, garantindo o preço atual para a futura venda, reduzindo o risco de variações relacionada a produção e mercado.



Formação de Preços no Mercado Interno


As principais influências na formação de preços são a cotação do ceral na CBOT e as cotações internas do milho na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Outras influências são o prêmio de exportação, o dólar comercial, frete, custo portuárias, etc.


Rotas de Escoamento do milho


O principal meio de escoamento é o rodoviário. Sabe-se que a maioria das rodovias são deficientes no pavimento, o que eleva o custo para transportar a mercadoria. Outras características como malha rodoviária, idade da frota, investimento e manutenção, etc. são fatores que influenciam no escoamento.


O estímulo aos meios ferroviários e hidroviários são recomendados para país de dimensões grandes como o Brasil.


Paridade de exportação


A paridade de exportação tem relação com a formação de preço interno e a Bolsa de Chicago, permitindo a conversão de preços futuros negociados para valores nacionais. Equipara as cotações internacionais com as cotações de produtores nacionais.


Gastos Produtivos


O milho como commodity utiliza alta tecnologia, o que aumenta o investimento e despesa do produtor. O principal fator são os insumos e custos variáveis (pagamento de produtos e serviços necessários). Os custos produtivos são divididos e calculados em custos fixos e custos variáveis. Os custos dividem-se em diretos são utilizados ao todo ou divididos para outra safra. Custos indiretos são referentes a estrutura da produção e empresa (empresa ou agricultura familiar).


Preço do milho


Fechamento: 15/07/2020


Praça Preço (R$/sc 60kg)


Não-Me-Toque/RS (Cotrijal) 41,50


Londrina/PR (Integrada) 42,00


Palma Sola/SC (Coopertradição) 44,00


Rondonópolis/MT (SRAC) 40,00


Fechamento: 14/07/2020


Não-Me-Toque/RS (Cotrijal) 41,50


Londrina/PR (Integrada) 42,00


Palma Sola/SC (Coopertradição) 44,00


Rondonópolis/MT (SRAC) 40,00


Fechamento: 13/07/2020


Não-Me-Toque/RS (Cotrijal) 41,50


Londrina/PR (Integrada) 42,50


Palma Sola/SC (Coopertradição) 44,50


Rondonópolis/MT (SRAC) s/ cotação


A ManejeBem atua assim, junto com a Agricultura Familiar esclarecendo e fornecendo informações para o desenvolvimento agrícola, levantando dados, analisando e organizando de forma adequada para a melhor tomada de decisão.


 Quando se fala em agricultura, logo se pensa nos grandes produtores. Aqueles que exportam e que tem disponível toda e qualquer solução agro. Mas, a verdade é que a grande maioria são de pequeno porte  e se organizam em unidades familiares. Acreditem, são eles que alimentam o mundo! Mas, mesmo com toda a sua importância na cadeia de abastecimento de alimentos, os agricultores sofrem a falta de tecnologia no campo. 


Pensando na melhoria da produção destes agricultores, a ManejeBem desenvolveu uma tecnologia, em forma de aplicativo, que visa facilitar a assistência técnica no campo.


A solução, ofertada para cooperativas, agroindústrias e empresas de assistência técnica agrícola visa à melhoria do trabalho de agrônomos e o desenvolvimento sustentável de comunidades rurais. 


Além de tornar as operações no campo ainda mais eficiente, mais sustentável e muito mais precisa, o agrônomo terá nas mãos informações valiosas para otimizar todas as etapas produtivas da propriedade. Com a tecnologia, fica muito mais fácil de identificar oportunidades e melhorias no campo. Quais os problemas? Quais as soluções? Que tipo de sistema de irrigação utilizar? Como efetuar a adubação? Como melhorar a gestão da propriedade? O agricultor está pronto para acessar créditos rurais? 


Com a ferramenta, que ajuda a responder estas perguntas, fica muito mais fácil de manter o agricultor produtivo e qualificado para os mercados existentes. Aumentando seus lucros! 


Como fazemos isso? Através do ManejeChat. Tecnologia que possui um chat direto com o agricultor e um sistema para registro e armazenamento dos atendimentos. Com esta ferramenta, conseguimos aumentar em 300% a capacidade do trabalho de técnicos no campo e elevamos o número de agricultores conectados com uma assistência agrícola diária e de qualidade.  


Quer conhecer um pouco mais esta ferramenta? Entre em contato conosco!  


 


Fontes:


http://sistemafamato.org.br/portal/arquivos/03072015033121.pdf


https://commodity.com/soft-agricultural/corn/


https://www.noticiasagricolas.com.br/cotacoes/milho/milho-mercado-fisico-sindicatos-e-cooperativas

* Clique na foto para ver a imagem ampliada

Cadastrar/Editar Manejo/Produto

* palavras chaves separadas por vírgula. máx. 5